Sidney Fernandes
   
BRASIL, Sudeste, BAURU, Homem, Portuguese, English, Arte e cultura
Histórico
Outros sites
Sidney Francez Fernandes - site do autor
RÁDIO CEAC
Richard Simonetti
Wellington Balbo
Orson Peter Carrara
Movimento Espírita de Bauru e Região
O Consolador - revista semanal de divulgação espírita
Poesias - João Batista
Wanir Caccia
Centro Espírita Amor e Caridade-Bauru-SP.
O Desenhista-a arte à luz do Espiritismo
Palestras espíritas da Yara
Ailton Paiva
Animais perdidos para adoção

Votação
Dê uma nota para meu blog

 




Escrito por Antonio de Mello às 08h43
[] [envie esta mensagem] []




A PROTEÇÃO DE VÓ FELÍCIA - por Sidney F. Fernandes

Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do SENHOR por longos dias. Salmos, 23:6

Os sonhos eram recorrentes. Sempre a mesma cena. Sônia identificava perfeitamente sua avó Felícia e seu avô Fabiano. Estavam felizes, sorridentes e pareciam querer lhe dizer alguma coisa. Sônia, todavia, não conseguia captar a mensagem.

Gratas lembranças lhe acorriam à mente. Felícia e Fabiano sempre foram carinhosos protetores. Em vida, adoravam os netos. Era sempre uma festa quando todos se encontravam. Bondosos, generosos e receptivos.

Felícia desencarnara primeiro. Meses depois, como se houvessem combinado, Fabiano foi chamado por Deus para junto do grande amor de sua vida.

Agora, depois de trinta e um anos, estavam de volta. À custa de muitas orações, finalmente Sônia conseguiu ter uma clara visão da mensagem de Vó Felícia. Mas, estranho, bem nessa vez ela estava só...

— Querida neta. Você vai ser mãe. Seu avô Felício já está a caminho, preparando-se. Acolha-o. Sempre estarei ao lado de vocês. Contaremos com o amparo de mentor de alta elevação, que será nosso guia e orientador. Fabiano terá uma grande tarefa pela frente. E você fará parte dessa missão.Que susto! Sônia, dedicada trabalhadora da seara espírita, criava sozinha seus dois filhos. Lívia, 16 anos, e Paulo, 13 anos. Depois de três anos de seu tumultuado divórcio, encontrara Alexandre.Sincero, trabalhador, paciente e calmo. Era o que lhe faltava para estabilizar sua vida. Mas, um filho? Nunca havia discutido com ele essa eventualidade. Mas, Alexandre também fazia parte do processo. Havia sido preparado anteriormente por Vó Felícia. Chorou de emoção ao saber que iria ser pai. Sônia se perguntava se o casual encontro com Alexandre não tinha o dedo de Vó Felícia.Confiando na promessa da avó, Sônia enfrentou confiante a nova empreitada. Não era mais menina. Ser mãe com 37 anos de idade? Não faltaria a proteção de Vó Felícia.

Parto prematuro? A gravidez correra bem. Mas, agora o médico aconselhava a antecipação do parto através de uma cesariana. E ela, que sempre tivera partos normais, pensava:— E a proteção de Vó Felícia, onde estava?

Fabiano Neto nasceu e cresceu com saúde. A personalidade do avô logo se revelou. Criança dócil, mansa e de natural propensão para o bem e a verdade.

Aos quatro anos de idade, já estava na pré-escola. E Sônia acompanhava o filho em todas as atividades: tarefas escolares, festinhas, atividades esportivas, não obstante as injunções profissionais e os cuidados que os filhos mais velhos lhe requisitavam.Certa ocasião, quando se preparava para viagem de trabalho, agendou a perua do transporte escolar para levar Fabiano à escolinha no dia seguinte. Tudo iria se encaixar. Durante a manhã o pequeno ficaria na escola. Ao término da atividade, Sônia já teria voltado de suas obrigações e o levaria para casa. Na manhã, Lívia, que era uma verdadeira mãezinha do pequeno irmão, veio ao quarto da mãe:

— Mãe, Fabiano não está bem... Arde em febre. Acho que não poderá ir para a escola...

— Logo hoje - desabafou Sônia - terei que cancelar tudo?

— E a proteção de Vó Felícia, onde estava?

Aos dez anos de idade Fabiano já se revelava um espírito elevado, responsável e de muito amor ao semelhante.Tinha muita facilidade em fazer amizade e era arroz de festa em qualquer atividade.E foi assim que, imbuído de determinação e responsabilidade, que Fabianinho foi incluído entre os premiados da escola. Os melhores alunos ganharam uma excursão para conhecido balneário, não muito distante de sua cidade.

Ansiedade, frenesi, preparativos... Os colegas mais próximos de Fabiano iriam à excursão.

Na manhã esperada, uma correria danada para não perder o ônibus. Sônia já estava no carro à espera do menino quando ouviu o barulho e o choro. Paulo - o irmão mais velho - aparece pálido e triste, levando Fabianinho em seus braços. Tropeçara na escada e, provavelmente, ocorrera sério traumatismo em seu ombro direito. Fratura ou, no mínimo, luxação. A contusão estendia-se do ombro para o braço.

Apesar da dor, Fabiano mantinha-se sereno, como costumava acontecer nos momentos mais difíceis.

Paulo, Lívia e Sônia choravam. Sabiam que ali acabava o tal esperado passeio.

— E a proteção de Vó Felícia, onde estava?

-x-

Aos dezessete anos aproximava-se a hora da decisão. Que profissão Fabiano desejava? Sônia sonhava com um arquiteto na família. E Fabiano sempre se interessara por formas estruturais, projetos e construções.

Era estagiário de uma concessionária de energia elétrica. E surgiu uma chance ímpar. O trabalho em uma das torres exigia talento e criatividade. Se o seu projeto obtivesse sucesso, o emprego estaria garantido.

Todavia, bem no dia da escolha da equipe surgiu uma emergência próxima da barragem. E Fabiano perdera aquela que tanto ele como a mãe Sônia, consideravam a grande oportunidade de sua vida.

Sônia não pôde deixar de comentar para si mesma:

— E a proteção de Vó Felícia, onde estava?

-x-

Aos vinte e cinco anos de idade Fabianinho já era juiz de direito, escritor e líder espírita.

A estabilidade profissional lhe dava tempo e condições de desenvolver a tarefa que lhe havia sido prevista desde os preparativos reencarnatórios.

Ciente das responsabilidades que as facilidades do Alto lhe proporcionavam, Fabiano Neto levou a sério todos os seus compromissos.

Retornou à espiritualidade décadas mais tarde como vencedor, espírito que correspondeu às expectativas do plano maior e às promessas que havia feito antes do mergulho à nova encarnação

Em algum momento faltara a proteção de Vó Felícia?

-x-

Agora Sônia, já no plano espiritual, tomava conhecimento das providências que ela não entendera à época dos ocorridos.

E a própria Vó Felícia, sorrindo, explicava.

— Sônia, minha querida, cumpri minha promessa. Com as bênçãos do Alto, tudo correu conforme esperávamos.

— Então explique-me, Vó Felícia, onde a senhora estava quando meu parto precisou ser antecipado?

— Ao seu lado, querida. O elevado espírito protetor de nosso querido Fabiano detectou grave aumento da sua pressão arterial e séria diminuição do volume de sua urina, caracterizando um quadro de eclâmpsia, séria complicação da gravidez. Sua idade nos fez inspirar o médico à cesariana imediata.

— Lembra-se do estado febril que impediu Fabianinho de ir à escola, perdendo a perua escolar? Deve ter sabido do grave acidente ocorrido com o veículo, levando várias criancinhas à urgência hospitalar.

— E nem preciso lhe dizer por que Fabianinho machucou o braço, que o impediu de participar da excursão escolar. A luxação de seu ombro foi um preço pequeno que ele teve que pagar, evitando que se envolvesse no acidente com o ônibus, que culminou com o desencarne de vários colegas da escola de Fabiano.

— E o projeto que Fabiano perdeu, na concessionária de energia elétrica? Talvez você não saiba, mas todos os funcionários que foram à nova torre passaram por sérios problemas, em virtude de descarga elétrica oriunda de um raio que atingiu a unidade.

Sônia derretia-se em pranto. Vó Felícia cumprira sua promessa. Estivera ao seu lado e de seus filhos, durante toda a sua vida.

Agora ela percebia quão grandioso havia sido o projeto de que participara. Faltara-lhe fé para entender os caminhos de Deus em sua vida.

-x-

Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!

Romanos, 11:33

-x-

A Doutrina Espírita nos conduz a entender os propósitos de Deus para nossas vidas. O que para nós é uma desgraça, sob o ponto de vista espiritual é apenas a condução de uma trajetória de progresso.

Falta-nos fé! Falta acreditarmos que, se estamos fazendo o melhor e honrando a vontade do Senhor em nossas vidas, os obstáculos devem ser encarados como desvios, para que não nos suceda coisa pior.

Confiemos em nosso protetor espiritual, nos espíritos familiares que nos rodeiam e nos espíritos simpáticos que venhamos a atrair com a persistência no bem e na verdade.

E se nesta vida de encarnados ainda não nos é permitido saber toda a verdade, no tempo certo ela nos será revelada.

Quem somos nós para entendermos, com nossa pequenez e condição espiritual, os propósitos de Deus para nossas vidas?

Deus tem planos insondáveis para mim. E não importa o que venha a acontecer, devo fazer sempre o melhor, na certeza de que ele sempre estará comigo.

Se Deus é por nós, quem será contra nós?

Romanos, 8:31



Escrito por Antonio de Mello às 16h11
[] [envie esta mensagem] []




A TV CEAC ESTÁ CHEGANDO!

1º TESTE DE GRAVAÇÃO EM 13/5/13



Escrito por Sidney Fernandes às 08h53
[] [envie esta mensagem] []




OS AVISOS DE DEUS - Sidney Francese Fernandes proferiu, no dia 10 de maio de 2013, na cidade de Mineiros do Tietê (SP), a palestra OS AVISOS DE DEUS.

Sidney e Cláudio, presidente do Centro Espírita Francisco Xavier dos Santos, em Mineiros do Tietê (SP)

Palestra "Os Avisos de Deus"

 




Escrito por Antonio de Mello às 19h18
[] [envie esta mensagem] []




ATARAXIA - por Richard Simonetti

        Você conhece a ataraxia, amigo leitor? Se nunca a viu mais gorda, não se preocupe. Raros ouviram falar dela. Eu também, até ler algo sobre Epicuro (341-270 a.C.), filósofo grego, cujo nome está injustamente ligado à licenciosidade e à devassidão, no cultivo do prazer.

        Ataraxia é a capacidade de manter-se sereno e tranquilo, diante dos contratempos e lutas da existência. Exatamente o que todos almejamos, principalmente na época conturbada em que vivemos.         Epicuro ensinava que ela está associada ao prazer, não aquele sustentado pelo vício e a paixão, na exaltação dos sentidos. Trata-se do prazer como sinônimo de bem-estar, superados os males do corpo e as perturbações da alma.

        Explicava o filósofo:

        "O bem é fácil de conseguir, o mal é fácil de suportar, a morte não deve ser temida, os deuses não são temíveis."

        Segundo Epicuro, a frugalidade está na base dessas realizações. Comer quando se tem fome, beber quando se tem sede, superar a dor, sustentando a saúde do corpo com a moderação e o empenho por conservar a mente serena com o cultivo dos bons pensamentos.

        Nada de vícios que adoecem o corpo.

        Nada de paixões que adoecem a alma.

        Os desvios da filosofia epicurista nasceram de um equívoco do filósofo. Epicuro considerava que a alma perece com o corpo. Por isso afirmava que não se deve temer a morte. Tudo terminaria na sepultura.

        No entanto, fica difícil cultivar a virtude e a moderação sem admitir que a alma é imortal, que responderá um dia por suas ações.

        Tudo me é lícito se concebo que não haverá consequências nem cobranças póstumas.

        Na atualidade vivemos situação semelhante. As religiões recomendam o cultivo de valores espirituais, que sinalizam a ataraxia. Falta-lhes, entretanto, o essencial – a capacidade de motivar seus profitentes com uma visão objetiva da sobrevivência e da vida além-túmulo. É tudo vago e especulativo. A fé sem compromisso com a racionalidade.

        Por isso, as pessoas dizem crer, mas sem maior repercussão em seu comportamento.

        O Espiritismo revive o pensamento epicurista num patamar mais elevado, estabelecendo contato com o mundo espiritual. A partir daí, demonstra ser indispensável a sobriedade para que não se complique o nosso futuro.

        E não basta cultivar singeleza, na base do beber quando se tem sede, comer quando se tem fome, preservando o corpo; ou cultivar  os bons pensamentos para a estabilidade da alma.

        É preciso direcionar nossa existência no sentido de favorecer o bem dos outros, segundo a orientação evangélica: dar alimento ao que tem fome, agasalho ao que tem frio, medicação ao enfermo, instrução ao ignorante, consolo ao aflito, orientação ao transviado.

        Servir sempre!

Esta a suprema realização, capaz de nos garantir o bem-estar na Terra e no Céu.

        Experimente leitor, amigo! Constatará algo admirável: no empenho de servir está o mais legítimo caminho para a ataraxia.



Escrito por Antonio de Mello às 08h35
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]